Dudu cobra mais policiamento em municípios do interior de AL

O deputado estadual Dudu  Hollanda (PSD) voltou a se pronunciar, durante sessão plenária da Assembleia Legislativa de Alagoas, sobre a escalada da violência no Estado. Na oportunidade, o parlamentar aparteou discurso do colega deputado Ronaldo Medeiros (PT), lamentando o assassinato de um policial militar na cidade de Porto de Pedras, na última segunda-feira (11), e cobrando reforço do policiamento também em outras cidades, a exemplo de Colônia Leopoldina, ‘onde a PM não dispõe de viatura, com apenas três policiais por dia, para uma população já com 22 mil habitantes’.

No início da sessão, Medeiros disse considerar o atentado contra o soldado pernambucano Ivaldo Oliveira uma afronta à sociedade alagoana, após dezena de homens fortemente armados arrombarem agência bancária e retirarem o policial de grupamento da PM instalado naquela cidade, vindo a ser morto a tiros em praça pública. “O governo estadual não consegue ofertar segurança sequer àqueles que têm o dever de fazer a segurança da população, além de omitir números sobre a violência, como atestou a Ordem dos Advogados do Brasil”, destacou.

Em outro aparte, o deputado Jeferson Morais (DEM) reforçou que a população está à mercê da criminalidade, cobrando a extinção dos chamados GPMs, ‘já que os espaços abrigam armas [roubadas na ação criminosa] e são vigiados, sem condição alguma, por apenas dois homens’. “Os bandidos fugiram em direção a Maceió e não houve perseguição. É a decretação da total falência da Segurança Pública em Alagoas”, emendou.

Já Dudu aproveitou o ensejo para lembrar que apresentara indicações, aprovadas durante a sessão à unanimidade dos votos, para cobrar do Executivo providências no sentido de garantir a uma viatura da PM para a cidade de Colônia Leopoldina, além do reforço do policiamento naquela cidade. “O clima de insegurança é total”, disparou o deputado, acrescentando que a própria cúpula da Defesa Social reconhece a dificuldade no combate ao crime em Alagoas.

“O subcomandante geral da PM, coronel Mário da Hora, admitiu, em entrevista, que há casos de viaturas deixarem os batalhões com apenas dois homens cada. E enquanto o policial dispõe de uma pistola, o bandido ataca com metralhadoras”, afirmou o deputado que integra comissão instituída na Assembleia com o intuito de fiscalização as ações do programa do governo federal ‘Brasil Mais Seguro’ em Alagoas – o grupo conclui relatório a ser apresentado à imprensa e sociedade em geral.

“E esta, infelizmente, é uma realidade presente em todo o Estado. A nova turma de policiais contratados pelo governo só vai concluir o curso de formação de praças em abril do próximo ano. Portanto, até lá, o que faremos?”, indagou Dudu Hollanda, que cobra ações mais enérgicas de imediato.

Para o deputado estadual e líder do PSD na Assembleia, a Polícia Militar precisa reforçar a fiscalização nas divisas de Alagoas. “Recordo-me que, na semana passada, a polícia realizou uma blitz gigantesca na Praia do Sobral, em Maceió, onde, naquela mesma tarde, presenciei um assassinato no bairro do Ouro Preto. Ou seja, não mais sabemos a quem apelar, já que falta investimento em pessoal”, reforçou Dudu, destacando que, segundo o governo estadual, o número de viaturas da PM saiu de 50, na gestão do ex-governador Ronaldo Lessa (PDT), há sete anos, para 450.

“São novas armas e demais equipamentos, mas faltam homens. É por isso que as divisas estão frouxas. Tudo o que não presta entra em Alagoas porque não há fiscalização, pois, o que se vê são blitze durante o dia e apenas nas áreas nobres da capital. Com isso, não há o verdadeiro combate à criminalidade local, com Maceió ameaçada pelo tráfico de drogas e os municípios do interior sitiados por quadrilhas de assalto a banco. E por maior esforço que se faça, a situação segue de mal a pior”, avaliou Dudu, recordando ainda, com pesar, o assassinato de filho de vereadora por Rio Largo – o estudante universitário Alan Cabral, 20, foi morto a tiros na última segunda-feira, no Salvador Lyra, em Maceió.

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *