Dudu Hollanda destaca avanços, mas cobra mais blitzes em AL

O deputado estadual Dudu Hollanda (PMN), durante discurso da tribuna da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE), chamou a atenção dos colegas parlamentares para um tema que tem suscitado a preocupação de todos: a escalada da violência no Estado. Aos parlamentares presentes, o quarto secretário da Mesa Diretora destacou os avanços do governo Teotonio Vilela (PSDB), salientando, no entanto, a necessidade da retomada de blitzes em rodovias cuja fiscalização compete ao Executivo, reforçando também a urgência para realização de concurso público para provimento de cargos a delegado de Polícia Civil. 

“Tenho sempre acompanhado as discussões em torno da segurança pública. Inclusive, participamos de recente reunião com o comando da Polícia Militar nesta Casa. Trata-se de um tema que preocupa a todos nós. Mas o governador está empenhado na busca por soluções. “Estive com Vilela há cerca de vinte dias e ele me externou preocupação para com o tema”, comentou o deputado, afirmando reconhecer as dificuldades. 

“O combate à violência não é algo simples. Mas a cúpula da Segurança foi escolhida por competência. Lembro-me, ainda quando vereador por Maceió, das muitas discussões que travamos com as comunidades a esse respeito. Acredito que o retorno das sub-delegacias nos bairros seria importante. O problema é macro, sobretudo na capital, muito frequentada por turistas. Afinal, também se passa por turista o ‘cidadão’ propenso a praticar algum delito”, avaliou o parlamentar. 

Para Dudu Hollanda, o vice-governador José Thomaz Nonô (DEM) se reportou a dados estatísticos para assegurar que Alagoas tem efetivo policial suficiente para enfrentar a criminalidade. “Ele disse que os oito mil policiais bastam à proteção dos três milhões de alagoanos porque, dentre os nove estados da região Nordeste, Alagoas é o primeiro em proporção policial por habitante. Mas se o número é suficiente, então o que falta?”, indagou o deputado, já vice-presidente da Comissão de Educação. 

Na oportunidade, Dudu ainda recordou a época em que a população se deparava com barreiras policiais advindas da chamada Operação Mundaú. “Tais barreiras ao menos inibiam a ação de criminosos. Mas tal iniciativa foi esquecida, com a exceção dos postos policiais instalados nas saídas da capital para os litorais Norte e Sul. Precisamos de mais policiamento também nas divisas com outros estados”, complementou. 

Apesar de o deputado ressaltar a necessidade de maior atenção por parte do governo estadual, ele destacou os avanços representados, por exemplo, pela polícia comunitária, que tem auxiliado a comunidade do Selma Bandeira, em Maceió, a se ver livre da ação de bandidos. 

“Hoje também temos o Batalhão Escolar e o policiamento feito por motocicletas. São avanços também fomentados por gestões anteriores ao do governador Teotonio. O ex-governador Manoel Gomes de Barros foi quem mais combateu a violência, inclusive pela polícia, quando teve pulso para enfrentar a extinta gangue fardada”, recordou o deputado, para quem Alagoas ‘precisa reagir, assim como tem feito os estados vizinhos’. 

Para ele, prova inicial da citada reação seria o convênio técnico firmado pelo governo estadual com o estado de Minas Gerais, ‘para que policiais daquela unidade da Federação possam instruir nossos bravos militares’. 

O pronunciamento do deputado Dudu Hollanda repercutiu no plenário, haja vista que cinco deputados pediram a palavra para louvar a iniciativa pelo tema. O deputado Sérgio Toledo (PDT), por exemplo, destacou a permanente contribuição do colega parlamentar. “Vossa excelência tem feito vários pronunciamentos nesta Casa e desta feita trouxe à tona um tema de grande importância”, afirmou Toledo, para quem um dos problemas relacionado à violência residiria no fato de a tropa, segundo ele, encontrar-se defasada. 

Também destacaram o discurso de Dudu Hollanda os deputados Ronaldo Medeiros (PT), Jeferson Moraes (DEM), João Henrique Caldas (PTN) e Nelito Gomes de Barros (PSDB).

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *