Dudu Hollanda faz balanço do semestre à TV Assembleia

O deputado estadual Dudu Hollanda (PMN) foi o entrevistado da última quinta-feira (30) do programa ‘Frente a Frente’, da TV Assembleia, a quem fez um balanço acerca dos trabalhos, neste primeiro semestre do ano, na Assembleia Legislativa de Alagoas. Na oportunidade, a apresentadora Gorete Lima indagou o jovem parlamentar sobre suas ações iniciais também como quarto secretário da Mesa Diretora, integrando duas importantes comissões como titular, além de ter apresentado vários projetos em benefício da população alagoana.

No primeiro bloco da entrevista, o deputado falou sobre o empenho dos que formam a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para investigar denúncias contra o serviço ofertado pela operadora de telefonia TIM em Alagoas. “A Comissão se deu pelos reclames da população e foi aprovada por unanimidade na Assembleia. Já ouvimos o Procon, além de representantes da OAB e do Ministério Público em Arapiraca, onde começaram as investigações. Já a Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações] ficou de nos encaminhar relatório acerca de sua fiscalização”, revelou o deputado.

O deputado revelou ainda não poder revelar o conteúdo dos depoimentos, apesar de conclamar o apoio da população. “A interação é muito importante”, destacou Dudu, reportando-se a parceria com site de notícias e explicando a nova ferramenta disponibilizada pela comunicação para denúncias, por meio do site da Assembleia Legislativa, no www.ale.al.gov.br.

À jornalista Gorete Lima, o deputado estadual disse ainda que, caso seja necessário, a Comissão irá prorrogar o prazo para conclusão do relatório final, lembrando ainda que a CPI irá convocar os diretores da operadora para explicações no plenário do Legislativo Estadual. “Também convidados o sindicato que representa os trabalhadores do setor, mas ele não compareceu. Contudo, neste caso, partiremos para a convocação, deixando de lado o convite para esclarecimentos”, explicou Dudu Hollanda.

Para o deputado, o trabalho precisa ser realizado com muita cautela, ‘a fim de que possamos garantir a melhoria do serviço’. “A operadora precisa corresponder à grande quantidade de linhas vendidas”, salientou.

Braskem

Dudu Hollanda também faz parte da Comissão de Fiscalização e Controle. Com ela, tem buscado investigar as causas de acidentes registrados na cloroquímica Braskem, com unidade instalada no bairro Pontal da Barra, em Maceió, ouvindo diretores da fábrica e representantes de órgãos ambientais.

“Os acidentes lá registrados afetaram centena de pessoas. A Braskem traz grandes riscos à população maceioense e ao meio ambiente como um todo. Não foi a primeira vez em que nos deparamos com acidentes do tipo. A empresa ali instalada representa um atraso de quarenta anos, já que impede o desenvolvimento da região do Pontal da Barra, reduzindo o valor comercial dos imóveis. Bares e restaurantes estão fechando suas portas. Ela não recebe sequer um investimento por parte da construção civil”, criticou o deputado, que segue defendendo a transferência da unidade fabril.

“Por isso defendo que a empresa transfira suas instalações para o pólo industrial de Marechal Deodoro, com a ideal estrutura para recebê-la e com a Prefeitura daquela cidade já se colocando à disposição. Eles estão muito bem acomodados comercialmente. Reconhecemos a contribuição, no que diz respeito a impostos, que a fábrica nos trouxe. Mas o prejuízo já se tornou muito maior, além do que são apenas quatrocentos funcionários. Por que não ser transferida?”, questiona Dudu Hollanda, destacando ainda que a área para onde a Braskem deverá ser transferida é completamente desabitada.

Para ele, tal medida vai fomentar o turismo, ‘a nossa maior indústria em Maceió’. “Teríamos como explorar ainda mais as nossas belezas naturais. Sei que não seria em curto prazo, mas esta medida vai favorecer as futuras gerações. Afinal, temos de considerar que a região abrange outros bairros, como o Trapiche da Barra. Juntos eles somam trezentos mil habitantes”, pontuou o deputado estadual, afirmando ainda ‘que as multas por si só não resolvem’.

“Até porque elas cabem recurso, de modo que a empresa irá até a última instância”, emendou Dudu, revelando ainda que a Comissão ainda se reunirá com o secretário municipal de Proteção ao Meio Ambiente, Ivan Bergson, bem como com a superintendente do Ibama em Alagoas, Sandra Menezes.

Projetos

Também durante entrevista ao Frente a Frente, Dudu Hollanda explicou projetos de sua autoria e cujo alcance social ganhou destaque entre os colegas na Assembleia Legislativa. Um deles versa sobre a isenção do pagamento do IPVA pelos taxistas que trabalham com veículos com capacidade para até sete passageiros, ampliando o benefício já garantido à categoria.

“Trata-se do táxi turismo. Buscamos com este projeto favorecer a categoria em todo o Estado, de modo que possamos incentivar o turismo, melhorando a qualidade do serviço pela categoria”, comentou o deputado, que também foi perguntado sobre o projeto que garante meia entrada, à pessoa com idade igual ou superior a 60 anos, em eventos culturais, artísticos, esportivos e de lazer  adequando a legislação estadual à mudança no Estatuto do Idoso.

“Com esta iniciativa nós estamos buscando ajudar quem já tanto trabalhou durante uma vida inteira, garantindo este benefício em todas as casas de show e em qualquer dia da semana”, reforçou Dudu, que também busca a gratuidade – em maternidades públicas e privadas de todo o Estado – de dois exames importantes em recém-nascidos: os testes do olhinho e da orelhinha, ‘beneficiando as famílias mais carentes’.

100% de assiduidade

Na mesma entrevista, o deputado Dudu Hollanda destacou ainda ter adquirido muita experiência com os quatro mandatos que exercera como vereador por Maceió. “Fui presidente da Câmara e ainda passei por todas as comissões permanentes. Agora é ainda mais gratificante poder servir a mais de três milhões de alagoanos. Estou muito feliz. Hoje tenho cem por cento de assiduidade na Assembleia. Não tenho uma falta sequer e mantenho a mesma frequência às reuniões das comissões das quais faço parte”, frisou Dudu, destacando a importância da votação, neste primeiro semestre, da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para a elaboração do Orçamento 2012, de modo que o Plano de Cargos e Carreira (PCC) dos servidores da Assembleia seja efetivamente implantado.

Já no que diz respeito ao combate à violência, o deputado Dudu lembrou já defender, antes mesmo de o Governo do Estado instalar as bases comunitárias em bairros nos quais o índice de criminalidade seria preocupante, um modelo semelhante, o das Unidades de Polícia Pacificadora, adotadas no Rio de Janeiro.

“O contato entre polícia e comunidade é de fato muito importante. A violência em alagoas é um agravante porque ainda não se deu a devida atenção às divisas, muito vulneráveis, com outros estados. Por isso as barreiras são muito importantes. As blitzes não precisam voltar. Eu mesmo gostaria muito de ter o meu veículo parado e revistado”, comentou o deputado, que, recentemente, passou por apuros quando retornava do município de Porto Real do Colégio.

“Tive de, corajosamente, furar um bloqueio que havia sido feito na rodovia em que trafegava depois que bandidos roubaram um caixa eletrônico instalado em usina de São Miguel dos Campos. Mas providências estão sendo tomadas, apesar de que, mesmo sendo da bancada governista, tenho feito críticas construtivas”, reforçou Dudu Hollanda, destacando ainda a capacidade do secretário de Estado da Defesa Social, o coronel PM Dário César.

“Sei de sua competência, mas percebi que ele estaria de certa forma impedido de realizar certas ações. Por ser uma área complexa, defendi que o vice-governador José Thomaz Nonô também dê sua contribuição, quando acredito ter sido mal interpretado”, recordou Dudu.

Surgimento do PSD

Ainda à TV Assembleia, o deputado estadual, eleito em 03 de outubro com 25.171 votos, explicou os motivos pelos quais está trocando o PMN pelo PSD, a sua nova sigla partidária a partir de 1º de agosto, assegurando que o Partido Social Democrático ‘já nasce forte em todo o país’, surgindo como a terceira maior legenda do Brasil, não sendo necessária a desfiliação para o ingresso dos possíveis interessados.

“O político, com ou sem mandato, pode se filiar a partir do momento em que a sigla for registrada. Em vários outros casos, muitos políticos hoje filiados ao PMN também estão migrando para o PSD, a exemplo do senador Sérgio Petecão, que representa o estado do Acre. O PMN se tornou um partido frágil. Prova disso é que, com a exceção de Jaqueline Roriz, os outros quatro deputados federais estão deixando a legenda e se filiando ao PSD, além do governador do estado do Amazonas e de vários prefeitos”, comentou Dudu Hollanda, assegurando que no próximo dia 30 de julho todos já estarão devidamente registrados.

Ainda de acordo com o deputado, o PSD já conseguiu um milhão e 600 mil assinaturas, quando seus líderes – o atual prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, é um deles – precisavam de apenas de 500 para o registro. “Agora vamos encaminhar a documentação ao Tribunal Superior Eleitoral”, descreveu Dudu, explicando ainda o que lhe motivou a deixar o PMN.

“Eu estava em um partido em que não tinha um diretório. Perdi voz no partido, perdendo também força política internamente. Foi quando fui convidado pelo deputado federal João Lyra e pelo prefeito de Maceió, Cícero Almeida, que são meus amigos e aliados políticos, já tendo sido membro do PTB de ambos, pelo qual cheguei a ser eleito o vereador mais votado de Maceió”, esclareceu o deputado estadual, acrescentando que o mesmo desconforto veio a lhe acometer no Partido Trabalhista Brasileiro, quando decidira migrar para o PMN.

“E já fui convidado pelo deputado João Lyra para ser o líder do PSD na Assembleia, além de vice-presidente estadual, com a missão de construir os diretórios no interior. O partido nasce muito forte, já possuindo cinquenta deputados federais, dois senadores, um governador e cinco vice-governadores, além de vários prefeitos, vereadores e deputados estaduais, compondo a base da presidente Dilma e estando presente nos 27 estados brasileiros”, evidenciou Dudu Hollanda, lembrando já ter cometido o erro de incorrer no risco da infidelidade partidária, motivo pelo qual ficara três meses sem mandato, assegurando ainda a lisura do processo de formação do PSD.

Sem riscos

“Não há qualquer risco jurídico de se incorrer em infidelidade. Estarei em Brasília com executiva nacional para discutirmos questões relacionadas a um partido democrático e aberto ao diálogo, enquanto aguardamos o seu registro”, complementou o deputado, revelando ainda que já negocia a filiação ao PSD com três prefeitos. “Deveremos atingir vinte cidades inicialmente. Mas já temos cerca de oitenta diretórios sendo construídos em todo o Estado”, reforçou Dudu, informando ainda que o Supremo Tribunal Federal (STF) liberou 30 dias adicionais (após 30 de julho) para filiação de detentores de mandato. “O questionamento jurídico do PPS acabou nos favorecendo”, ressaltou o deputado estadual, reportando-se à polêmica que o Partido Popular Socialista tentou, em vão, criar em torno da criação do PSD.

Ainda à apresentadora Gorete Lima, Dudu Hollanda explicou que todas as pessoas que não possuem mandato podem se filiar até 30 de setembro, já vislumbrando as eleições de 2012. “As convenções, para discussões sobre o partido, já começaram e vão até o dia dez de julho. Faremos um número expressivo de prefeitos e vereadores em Alagoas”, assegurou.

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *