Vereadores debatem problemas da Vila Emater

Holanda presidiu sessão itinerante (Foto: Bruno Soriano)

Gazetaweb – reportagem de Bruno Soriano

Os vereadores de Maceió participaram, na manhã desta quarta-feira, de uma sessão diferente, em quase todos os aspectos. Isso porque mais uma sessão especial voltou a se deslocar à comunidade, na quinta sessão itinerante realizada neste ano. O palco, desta feita, foi a Escola de Educação Infantil Herbert de Souza, na Vila Emater, onde os parlamentares ouviram inúmeras queixas de quem vive no entorno do Lixão de Maceió, retirando do mesmo o próprio sustento.

Entre as reivindicações da comunidade, estão a instalação de um posto de saúde, a ampliação da única escola existente no bairro e que atende apenas 26 crianças, além de um projeto que contemple todos os catadores de lixo, que demonstram apreensão no que diz respeito à proposta da Prefeitura de Maceió para instalação do aterro sanitário.

“A questão dos catadores precisa estar acima de qualquer coisa. A sobrevivência deste povo é muito mais importante do que um serviço de pavimentação, por exemplo. Esta escola [Herbert de Souza] foi construída pelos próprios moradores e doada à Prefeitura. À época, falou-se em dois compromissos. Um era o de o Executivo mantê-la funcionando. O outro, o de ampliá-la para a Educação Infantil, que só existe no nome. Portanto, hoje temos o compromisso cumprido pela metade”, comentou a educadora e ambientalista Ana Lúcia Menezes, presente à sessão na qual cobrou que a Câmara busque a valorização do catador ‘como elemento chave no processo de implantação do aterro’.

Para ela, ‘as pessoas não podem encarar a comunidade da Vila Emater como lixo’. “A presença negativa do estado é uma dor física e moral para as mais de 600 famílias que sobrevivem do que encontram no lixo”, complementou Ana Lúcia.

A presidente da Cooperativa dos Catadores de Lixo da Vila Emater, Valdirene Correia, lembra também a falta de equipamentos como um empecilho ao já arriscado trabalho no lixo. “Precisamos de balança, carrinho, luvas, entre outras coisas. Isso sem falar no quesito moradia, pois, gostaríamos ao menos que pagassem um aluguel de casa para todos nós”, afirmou.

Dezenas de moradores participaram da sessão

Em discurso, a vereadora Heloísa Helena (Psol) – que requereu a realização da sessão, aprovada, por unanimidade, pelos vereadores – disse que irá solicitar ao comando da Polícia Militar a abertura de inquérito para averiguar denúncia de que moradores da Vila Emater estariam sendo submetidos a situações vexatórias em abordagens naquela comunidade, onde os policiais costumam fazer varreduras em busca de drogas.

“Faço oposição à Prefeitura, mas tenho de reconhecer que o prefeito Cícero Almeida (PP) acatou emenda que aumentou, na Lei de Diretrizes Orçamentárias, de duas para 10 escolas a serem construídas em 2010 na capital. Nossa luta agora é para que este e outros projetos saiam do papel”, afirmou a vereadora.

Na sequência, o vereador Ricardo Barbosa (Psol) também pediu a palavra para criticar a deficiência do transporte urbano. “Quantos vereadores e prefeitos já tomaram conhecimento dos problemas desta comunidade, sem que nada se faça de concreto? Sabemos que não existe comunidade em Maceió que não apresente deficiência no quesito transporte público, mas aqui a situação é degradante. O acesso ao bairro é impossível no inverno. Enquanto isso, a orla marítima foi toda recuperada. Não há empresário que, visando o lucro, queira disponibilizar um ônibus para trafegar numa rua esburacada como esta”, alfinetou.

Também acompanharam a sessão, até o seu término, os vereadores Francisco Holanda (PP), Fátima Santiago (PP), Marcelo Gouveia (PRB), Galba Novaes (PRB) e Nery Almeida (PP), além da 1ª secretária, Silvânia Barbosa (PTdoB), e do presidente do Legislativo Municipal, vereador Dudu Holanda (PMN).

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *